Aumenta a violência contra minorias religiosas no Paquistão

Compartilhe

Um comunicado da Comissão Nacional de Justiça e Paz da Conferência Episcopal do Paquistão, denuncia o aumento das agressões contra as minorias, que incluem assassinatos, prisões por blasfêmia e profanação de sepulturas de cristãos. "Os membros das minorias religiosas ainda são considerados cidadãos de segunda categoria no Paquistão. Eles estão lutando por seus direitos fundamentais que precisam ainda ser garantidos pelo Estado".

"Nas últimas semanas verificou-se um aumento alarmante de episódios de violência, em particular contra as minorias religiosas. Condenamos com firmeza as agressões contra as minorias por causa de sua fé. Esses ataques são intoleráveis: o Estado deve oferecer proteção e segurança a todos os cidadãos”. Foi o que afirmou em um comunicado enviado à Agência Fides, a Comissão Nacional de Justiça e Paz (NCJP) da Conferência Episcopal do Paquistão.


Sepulturas profanadas em povoado cristão

Entre os incidentes mencionados no texto, há a profanação de cruzes nos túmulos de um povoado cristão (Antonioabad), próximo à cidade de Okara. Cruzes de 40 túmulos foram vandalizadas.

Já em 14 de maio, um cristão de 36 anos, Javed Masih, foi morto por seu empregador muçulmano na aldeia de Chak 7, perto de Faisalabad. Ele sofreu discriminação religiosa de seu empregador muçulmano e de seus amigos, por ter decidido mudar de emprego.

Em 27 de maio de 2019, um médico hinduísta, Ramesh Kumar, foi acusado de suposta blasfêmia depois que um homem alegou ter recebido remédios embrulhados em papel no qual, segundo ele, "havia versos do Alcorão" impressos. O médico foi detido pela polícia para não ser linchado pela multidão.


Adotar medidas de segurança

Falando sobre a situação, a Comissão "Justiça e Paz" pede ao governo para "adote imediatamente medidas afirmativas para garantir a segurança das minorias, de acordo com o Artigo 36 da Constituição do Paquistão.

"O governo deve assegurar que os responsáveis ​​por essas violações sejam" sejam levado à justiça e aplicar a decisão da Suprema Corte de 2014, que obriga o Executivo a promover e proteger os direitos legítimos das minorias religiosas”, lê-se no texto, que também pede uma atenção especial "à segurança das propriedades e dos locais de culto das minorias".


Prender os responsáveis

O arcebispo Joseph Arshad, presidente da Conferência Episcopal do Paquistão, condena os episódios de violência e afirma no comunicado: "Eu rezo pelas vítimas, em particular pela alma de Javed Masih e por sua família. Exorto o governo a tomar as medidas necessárias para garantir a segurança e para capturar os responsáveis ​​por tais incidentes".

Proteger as minorias religiosas

"Esse tipo de ataques não é aceitável e representa uma séria ameaça à sobrevivência das minorias no Paquistão. Pedimos que seja implementado o Plano Nacional de Ação para os Direitos Humanos, para salvaguardar os direitos de todos os cidadãos do Paquistão, de todas as religiões”, observa Pe. Emmanuel Yousaf, diretor nacional do NCJP.

Cecil Shane Chaudhry, diretor executivo da Comissão, acrescenta: "Os membros das minorias religiosas ainda são considerados cidadãos de segunda categoria no Paquistão. Eles estão lutando por seus direitos fundamentais que precisam ainda ser garantidos pelo Estado".

 

(Vaticannews)

Últimas Notícias

Aconteceu