Canonização de Irmã Dulce será no dia 13 de outubro

Compartilhe



O Papa Francisco presidiu, nesta segunda-feira, 1 de julho, no Vaticano, o Consistório Ordinário Público para a Canonização de cinco Beatos, dentre os quais Irmã Dulce, que terá a cerimônia de canonização realizada no domingo, 13 de outubro, em cerimônia presidida pelo Papa Francisco no Vaticano, durante o Sínodo para a Amazônia.

Além de Irmã Dulce, serão canonizados os seguintes beatos: John Henry Newman, cardeal, fundador do Oratório de São Filipe Néri na Inglaterra; Giuseppina Vannini (no século Giuditta Adelaide Agata), fundadora das Filhas de São Camilo; Maria Teresa Chiramel Mankidiyan, fundadora da Congregação das Irmãs da Sagrada Família e Margherita Bays, Virgem, da Ordem Terceira de São Francisco de Assis.


Irmã Dulce Lopes

Primeira mulher Brasileira a se tornar santa, Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes nasceu em 26 de maio de 1914 em Salvador, Bahia. Aos seis anos perdeu sua mãe, sendo educada por suas tias. Aos 13 anos, uma delas a levou para conhecer as áreas mais pobres da cidade, fato que despertou nela uma grande sensibilidade. Aos 18 anos ingressou na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, onde começou a ser chamada Dulce.

Uma das inspirações para o discernimento de sua vocação foi a vida de Santa Teresinha do Menino Jesus. “A exemplo de Santa Teresina, penso que todos os pequenos atos de amor, por menores que sejam, agradam ao Menino Jesus”, dizia. Assim, seus pequenos atos de amor foram traduzidos em grandes obras sociais. Irmã Dulce fundou a união dos trabalhadores de São Francisco, um movimento cristão de trabalhadores na Bahia.

Iniciou depois a acolher pessoas doentes em casas abandonadas em uma ilha em Salvador da Bahia. Mais tarde, foram despejados e a religiosa transferiu a estrutura de acolhida para um antigo mercado de peixe, mas foi obrigada a abandonar o local. Assim, o único lugar onde ele poderia acomodar mais de 70 pessoas que precisavam de assistência médica era o galinheiro do convento onde vivia, que rapidamente transformou-se em um hospital improvisado. Assim começou a história de outra de suas fundações: o hospital Santo Antônio, inaugurado oficialmente em maio de 1959, com 150 leitos. Atualmente, recebe 3.000 pacientes por dia. Hoje suas fundações são conhecidas como as Obras Sociais de Irmã Dulce, Osid.

Nos últimos 30 anos de vida, a saúde da irmã Dulce estava muito debilitada. Ele tinha apenas 30% da capacidade respiratória. Em 1990 começou a piorar e por 16 meses permaneceu hospitalizada, oportunidade em que recebeu a visita do Papa João Paulo II, com quem havia tido uma audiência privada dez anos antes.

Ela foi transferida para o Convento de Santo Antônio, onde veio a falecer em 13 de março de 1992. Milhares de pessoas em condições de extrema pobreza reuniram-se para dar a ela o último adeus.

Seu corpo foi transferido para a Igreja da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, onde se descobriu que ele havia permanecido incorrupto. O milagre que permitiu sua beatificação ocorreu em 2001. Este fato foi a confirmação de uma vida virtuosa, centrada na oração e na caridade, a partir das menores coisas. “O amor supera todos os obstáculos, todos os sacrifícios”, disse a irmã Dulce.

 

Últimas Notícias

Aconteceu